Teatro

Ancestralidade no palco

Um jogo de contradição entre a presença e a ausência pela morte

Okama conta sobre a migração nipônica, violência e sexualidade através da memória afetiva Com texto de Gabriel Saito e direção de Miwa Yanagizawa, o espetáculo estreia no dia 01 de setembro no Sesc Ipiranga

Okama significa “bicha”. Em japonês esse termo é pejorativo, mas foi fundamental para que o ator, performer e dramaturgo Gabriel Saito, fluminense de ascendência nipônica, iniciasse a pesquisa acerca da sua ancestralidade.

Saito conectou a violência do processo migratório com a vivência da sua própria sexualidade, a partir da relação dos samurais com os atores do teatro Kabuki. Durante suas pesquisas, compreendeu que a história de sua família é similar a de várias outras que migraram do Japão. Muito ligado à avó,

Saito traz as memórias afetivas ao palco do Sesc Ipiranga a partir de setembro e propõe uma reflexão sobre o tema a partir da reconexão com o passado.

O Teatro e a dança Kabuki foram as peças-chave para a expansão simbólica na criação do artista que também traz para a cena coreografias dessa arte. No Japão, do período medieval até o fim do século XIX, os atores do tradicional teatro kabuki se relacionavam sexualmente com os samurais como práticas que eram comuns na sociedade.

Acessando esse elemento histórico, o espetáculo realiza várias fabulações sobre seu próprio corpo de “bicha-mestiça-nipônica”, levando ao palco uma visão singular sobre a ancestralidade. Os artistas do teatro contemporâneo têm apostado em refletir sobre a ideia de ancestralidade a partir também dos recortes raciais.

O encontro do artista com Miwa Yanagizawa na direção é outra potente interlocução ancestral. A dupla se une a partir de suas trajetórias de vida e identidades raciais e define: “Okama proporciona, para nós, um empoderamento e rompe com o constrangimento de assumir a racialidade”.

Muitos fragmentos da peça são fragmentos da vida de Miwa também. A peça é um jogo de contradição entre a presença e a ausência pela morte. O luto está em cena a partir das memórias vivas da avó do ator numa articulação entre o particular e o universal: os dilemas sociais vividos por migrantes asiáticos ao longo dos anos no Brasil e a violência e até a fome vivenciadas por famílias como os Saito quando aqui desembarcaram também são formas de abordar a morte.

O idealizador define: “A relação com a memória é uma das grandes potências no projeto. O Brasil é um país com medo da memória”. Okama produz um outro legado nesse sentido, ao celebrar, de maneira transgressora, a herança cultural nipo-brasileira.

A equipe da peça é composta por mais de 50% de artistas amarelos e a estreia não poderia ser em outro lugar senão São Paulo, que acolhe a maior comunidade nipônica no mundo fora do Japão, o que denota que essa história é muito presente na constituição da própria cidade.

Ficha técnica: Texto e atuação:

Gabriel Saito Direção: Miwa Yanagizawa Coreografias Kabuki: Fujima Yoshikoto Assistente coreografias Kabuki: Satie Hideshima Desenho de luz: Sueli Matsuzaki Cenografia: Maurício Bispo Figurino: Teresa Abreu Trilha sonora: Yugo Sano Mani Videoarte: Gibran Sirena Fotografia: Nadja Kouchi Projeto Gráfico: Pedro Leobons Supervisão de dramaturgia: Fabiano Dadado de Freitas Preparação Vocal: Camilla Flores Assessoria de imprensa: Mengucci Imprensa e Midia Produção: Corpo Rastreado Idealização: Gabriel Saito Serviço: Okama Direção: Miwa Yanagizawa Temporada: 1 de setembro a 8 de outubro

Tania Voss

Tânia Voss é jornalista formada, colunista social e assessora de imprensa. Tudo começou no Jornal Destaque do município de Taboão da Serra, na editoria de variedades com entrevistas de cantores e artistas famosos da época. Em breve, completará 35 anos de carreira e profissionalismo no Jornalismo. Desde a faculdade atua na área de variedades e especialmente com famosos. Começou escrevendo a Coluna do Gugu nos jornais impressos Popular da Tarde e Diário Popular, depois foi a primeira jornalista e colunista social ainda desconhecida a brilhar no famoso jornal do povão Notícias Populares, agitando o Brasil com suas manchetes bombásticas. Hoje no mercado existem livros e teses sobre o trabalho da jornalista quando trabalhava nos anos 90 no NP. De lá pra cá foi jurada em programas de TV, programas de rádio com notícias de famosos, troféus e homenagens. Como colunista escreveu e representou a Revista Raça Brasil e Raça Visual, por todo o Brasil e exterior.. Colunas em várias revistas, jornais, sites e atualmente assina uma página de famosos no site Cartão de Visita do Portal R7, tem o blog Universo da Fama, além de participações no site da Rede Brasil . As casas mais badaladas, restaurantes, bares, festas, lançamentos, shows, entrevistas, eventos sociais em geral, coletivas de imprensa, bastidores e tudo sobre o meio artístico você vai encontrar aqui. @tania.voss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo