Noticias

Associação Fala Mulher e o SBT do Bem se unem para dar vozao silêncio das vítimas de violência contra a mulher 

SBT do Bem se uniu com a Associação Fala Mulher para lançar o projeto “Voz do Silêncio“. Com criação da We, a iniciativa traz o conceito “Quando uma mulher sofre em silêncio, outra pessoa fala por ela”. Em toda a campanha, a ideia central é mostrar que a denúncia é a melhor forma de devolver a narrativa dos fatos para as vítimas e acabar com o ciclo da violência. O filme principal intitulado “Loja” mostra uma vendedora levando um vestido para uma cliente no provador de roupas. Ao experimentar a peça, a mulher não se sente confortável, mesmo com os elogios da lojista. No momento em que ela se encara no espelho, é revelado o motivo da insegurança. A vítima reproduz, com a voz do marido, a violência psicológica sofrida todos os dias em casa. Uma mensagem final convida todas as pessoas a denunciarem este tipo de crime por meio do Disque 180.

Nos anúncios e formatos OOH, há uma foto de uma mulher com um QR-Code em cima da boca, tampando os lábios. Ao escanear o código, as pessoas ouvirão a simulação da voz de um agressor praticando alguns dos tipos de violência mais comuns no dia a dia das vítimas. O projeto também conta com uma ação inovadora durante a programação do SBT: a criação de um novo formato de mídia na emissora. O aviso de classificação etária é o único espaço da TV onde é possível se comunicar diretamente com o telespectador de deficiência auditiva e surdez. No Brasil, todo programa de televisão é obrigado por lei a exibir uma vinheta com uma intérprete de Língua Brasileira de Sinais alertando sobre os conteúdos impróprios da programação. Desta vez, ela comunicará mais uma mensagem, que só poderá ser entendida por mulheres com esse tipo de deficiência: “Ei, você… é, você que está me assistindo. Você não está mais sozinha em caso de violência: faça já sua denúncia em LIBRAS no site falamulher.ong.br”. Ao acessarem o site, as vítimas com deficiência auditiva e surdas poderão realizar a sua denúncia em um canal exclusivo feito para elas.

SBT, além de coautor do projeto, ofereceu toda a sua estrutura para a realização do trabalho. Após a intervenção na programação, a emissora disponibilizará todos os materiais para que a iniciativa possa ser implementada e amplificada ainda mais em outros canais da TV aberta e fechada.

“Somamos esforços para desenvolvermos uma campanha inclusiva que traz um filme principal como retrato da triste e difícil realidade de muitas mulheres. Nosso objetivo é ampliar a voz delas, de forma igualitária, quebrando o ciclo da violência e buscando renovar a esperança em reduzirmos o número de casos de violência contra a mulher.”, ressalta Priscila Stoliar, Head de marketing do SBT.

“Nós e a Associação Fala Mulher somos parceiros de longa data. No decorrer desses anos, já são vários projetos realizados no dia a dia da conta e diferentes pontos de conexão criados em prol da causa. Este ano, com o apoio do SBT, conseguimos mais uma vez unir criação e mídia em torno de uma ideia verdadeira, inovadora, potente e relevante.”, comenta Armando Araújo, VP de Criação da Agência We.

“A união entre a Associação Fala Mulher e o SBT do Bem gerou o projeto ‘Voz do Silêncio’, que dá voz às vítimas de violência. Diante dos alarmantes índices de agressões e das dificuldades em denunciar, a iniciativa se torna essencial. Com a criatividade da We, o projeto inova ao encorajar denúncias e ampliar as vozes das mulheres silenciadas. Ele traz à luz a dura realidade da violência e destaca a importância vital de amplificar as vozes daquelas que enfrentam o silêncio e precisam de apoio especializado para romper o ciclo de violência.”, explica Carla Jara, Gerente de Marketing da Associação Fala Mulher.

Os números da violência contra a mulher crescem a cada ano no País. No entanto, a denúncia de tais crimes é inversamente proporcional por diferentes motivos: o medo, a vergonha, além da falta de informação e acesso aos canais oficiais de apoio. Segundo dados da Secretaria Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SNDPD) – do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH) – mais de 50% das vítimas são PCD. Entre elas, as mulheres com deficiência auditiva e surdez, que vivem uma situação ainda mais delicada quando o assunto é denunciar os casos de violência. Afinal, elas não conseguem ser plenamente entendidas e os boletins de ocorrência, em sua maioria, são registrados como denúncia de incapaz.

Toda a campanha terá desdobramentos em posts, stories e banners.

Thiaggo Camilo - @thiaggocamilo

Jornalista e assessor de imprensa. Foi jurado do quadro musical do programa Mais Show com Danny Pink na Rede Vida. Colunista do Tô Na Fama!, portal parceiro de conteúdo do IG. Atualmente está a frente da sua agência de comunicação e licenciamento. Redes sociais @thiaggocamilo | @thiaggocamilopress

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo