Celebridades

Biografia de Alceu Valença será lançada no Itaú Cultural nesta quinta

Obra é assinada pelo jornalista Julio Moura, que fará bate-papo e sessão de autógrafos

O livro Pelas ruas que andei – Uma biografia de Alceu Valença será lançado em São Paulo nesta quinta-feira (27), na Sala Itaú Cultural, a partir das 19h. O autor, o jornalista e escritor Julio Moura, conversa com o público sobre a obra, com mediação do escritor, publisher e podcaster Bento Araújo e presença do biografado. A entrada, como todas as atividades no IC, é gratuita. Para quem ainda não tiver reservado ingresso pela INTI, o Itaú Cultural trabalha com fila de espera para as pessoas adquirirem os bilhetes daqueles que fizeram a reserva on-line, mas não compareceram até 10 minutos antes do início as apresentações.

Cantor, compositor, instrumentista, poeta, diretor de cinema, ator e advogado. “Sou um grande poeta, tenho certeza disso”, prefere resumir o pernambucano ilustre, em trecho do livro Pelas ruas que andei – Uma biografia de Alceu Valença. Assinado pelo carioca Julio Moura – assessor de imprensa e desde 2009 -, o livro revela histórias de vida e carreira de Alceu Valença – juntas e misturadas – ao longo dos 50 anos de palco, teatro, cinema, picadeiro, tapume e meio de rua. “Poeta e trovador, seu discurso confronta o lugar comum. Sua personalidade inquieta se reflete na obra. E coube a mim, de alguma maneira, traduzir tudo nesse livro”, declara o escritor. 

Se da vida tirou músicas, com elas fez a vida, Brasil e mundo afora, como contam as 562 páginas do livro sobre o filho de São Bento do Una, de 76 anos. A trajetória cronológica se faz completa com riqueza de fotografias. O lançamento ocorreu no dia 27 de junho, às 19h, no Paço do Frevo (Recife), com mediação da jornalista Luiza Maia e sessão de autógrafos. “Ninguém faria um livro sobre mim melhor do que Julio Moura”, sentenciou o artista. Outro evento, no Rio de Janeiro (Livraria da Travessa Ipanema) está marcado para 1º de agosto. 

Parceria da Relicário Produções Culturais e Editoriais e da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), sob coordenação editorial de Carla Valença, o projeto é viabilizado pela Lei Federal de Incentivo à Cultura com patrocínio do Banco Itaú, apoio da Uninassau e realização do Ministério da Cultura. A obra tem versões impressa, digital e ainda um audiolivro (disponível em www.audiolivro.art.br), adaptado aos requisitos de acessibilidade e pensado com recursos extras para os fãs do formato. A narração é de Amanda Menelau, Bernardo Valença, Giordano Castro e Nínive Caldas.

O autor de hits como La belle de jour, TropicanaBicho Maluco BelezaEspelho cristalinoCoração bobo e tantas mais é “complexo, irreverente e singular, original, sem escola”, define Julio. Totalmente abstêmio nos dias atuais, já gostou de beber, mas não curtiu drogas. Nunca gostou da “viagem”. Viajou mesmo foi pelo Brasil e por meio mundo, espalhando seu repertório em turnês internacionais. Já tocou na Alemanha, França, Suíça e em Portugal, Berlim, Munique, Colônia, Paris, Zurique e Lisboa. Sem falar no carnaval de Olinda, onde é comum dar uma canja na sacada de sua casa. A Marim dos Caetés é não apenas morada, mas também cidade-musa, a quem Alceu se declara em verso em prosa. “Tenho uma relação poético-sentimental com esta terra. Essa cidade é o berço da civilização pernambucana, nordestina e brasileira. Nunca poderão me tirar a cidadania olindense”, declara o cantor. 

A criança de São Bento já antevia o artista: gostava de cinema, música, literatura, teatro – embora a primeira experiência rítmica, com um pandeiro, tenha sido desaprovada pelo exigente e talentoso avô Orestes. Daí seus marcantes figurinos e sua performance nos palcos. Já se vestiu de burrinha de bumba meu boi e incorporou Napoleão com os devidos trajes coloniais. Antes, porém, tentou “atuar” como advogado. Cursou a Faculdade de Direito do Recife e até em Harvard fez curso. Mas logo desistiu do terno e gravata e da americanização. Queria mesmo era a arte. Sempre foi mais de carne de sol do que de hambúrguer. Preferia Luiz Gonzaga, Lampião, Nelson Ferreira, Capiba e Jackson do Pandeiro a Mick Jagger. 

Mas teve que ralar para conseguir gravar um disco. Participou dos festivais de música, recebeu algumas vaias, passou os anos 70 batendo na porta das gravadoras Sudeste afora. Foi desencorajado por muitos. “Vocês deviam ter aparecido há cinco anos, quando a música nordestina estava em alta”, chegaram a ouvir de produtores, no tempo em que música vinda do Nordeste era regional e ponto final. Na época da ditadura militar, enfrentava os confusos censores de letras de música, via muitos amigos se exilarem ou serem presos e ainda concorria com a produção importada que  ocupava a programação das rádios. “Em parte é boa essa poluição. Porque todo micróbio cria anticorpos. Ninguém está fechado a coisa nenhuma. Simplesmente a aculturação não pode ser tão rápida”, disparou o cantor. 

Eis que a roda da sorte girou para o são-bentense. “Depois de praticamente uma década de militância underground, Alceu Valença fazia sucesso popular naqueles 1980. Seu disco Coração bobo encaminhava-se para a marca de 750 mil cópias vendidas, superior às 700 mil de Maria Bethânia e às 600 mil de Chico Buarque”, escreve Julio. 

Seu repertório sempre foi de coco, maracatu, forró e frevo, que misturava com guitarra e bateria, em um estilo de som pré-manguebeat. “Com Jackson, aprendi a dividir melhor, a cantar com mais ritmo, a dividir as palavras, as inflexões. Comecei a cantar mais forró, porque antigamente eu pegava as minhas músicas e botava muito rock dentro. Claro que era música de raiz, totalmente nordestina, mas os ataques e a bateria eram pesados demais. A partir dele, veio o suingue da minha música”, reflete Alceu.

Defensor da cultura nordestina, não deixou por menos quando um repórter certa vez sugeriu uma oposição entre “a arte pobre do Nordeste versus o esplendor do Sul maravilha”: “Quem pensar assim está enganado, primeiro porque a arte do Nordeste não é pobre, é rica mesmo. Depois, o desenvolvimento material de uma região não está obrigatoriamente atrelado ao desenvolvimento artístico. Se fosse assim, Picasso seria inferior a qualquer artista norte-americano”, devolveu. 

“Alceu Valença canta com todo o seu corpo. Ele nos faz percorrer sua terra natal com voz fanhosa e rouca como a dos cantadores populares que se escutam nas feiras e mercados do interior do país, ou doce, como a dos homens do litoral. Ele canta de todas as formas de que dispõe. E, se o olhar dos espectadores acha o instrumental reduzido, Alceu nos faz sentir que os recursos são infinitos, pois com ele tudo vira música”, derrete-se a jornalista francesa do Libération, Dominique Dreyfus, biógrafa de Luiz Gonzaga e Baden Powell. É ela quem assina o prefácio do livro.

Na narrativa de Pelas ruas que andei – Uma biografia de Alceu Valença, Julio Moura acaba por prestar uma reverência ao jornalismo cultural, sua escola profissional e em franca derrocada. Repousam na obra recortes de críticas e entrevistas assinadas por jornalistas de vários estados brasileiros e outros países, extraídos a partir de minuciosa pesquisa em hemerotecas. Através delas, o leitor pode passear pela forma como era descoberto e apresentado o artista pernambucano, em eras nas quais a informação era mais concentrada.

Faixa obrigatória na trilha sonora da vida de muitos brasileiros, Alceu recentemente viu os versos de Anunciação, de 1983, se tornarem hino, quase 40 anos depois, em 2022, dos que desejaram novos rumos políticos para o país, entoando, emocionados, os versos Tu vens, Tu vens/ eu já escuto teus sinais. E eis que Valença, ídolo da geração anos 1980, se torna também ícone das gerações mais recentes, dos Ys, Zs e Alfas.

Entrevista / Julio Moura

Como surgiu a ideia da biografia?

Desde que comecei a trabalhar com Alceu, em 2009, eu já alimentava essa ideia porque percebo que existe uma carência de biografias musicais no Brasil. Essa carência vem sendo atenuada nos últimos tempos, mas a geração do alceu  – o Nordeste 70 –  possui pouquíssimas biografias. O Alceu tinha uma espécie de perfil, Alceu Valença em Frente e Verso, lançado em 1989 pela jornalista e escritora Anamelia Maciel. Achei que era importante preencher essa lacuna e me senti capacitado para isso.  

Quanto tempo você demorou para escrevê-la, apurar, reunir fotografias, material de pesquisa…?

Esse projeto é de 2019. Em 2020 entrou a pandemia e posso dizer que, basicamente, passei a pandemia escrevendo esse livro, o que por um lado acabou sendo favorável porque pude me concentrar bastante. E isso acabou influenciando na própria linha do livro. Se pretendia fazer uma coisa mais convencional, de entrevistar diversas pessoas, a pandemia acabou dificultando isso, de viajar para o Recife, São Bento do Una… Contratei uma pesquisadora, Patrícia Pamplona, e ela veio com um material muito robusto. Então optei por fazer um livro mais em cima de pesquisa, pesquisa histórica, pesquisa de jornais, revistas, livros e outras publicações, e muito do que venho conversando com Alceu em 14 anos de convivência bem próxima. Considero que ele (o livro) é também um diálogo entre o biografado e o jornalismo cultural. Ele sempre deu várias entrevistas a nomes como Nelson Motta, Ana Maria Bahiana, Tárik de Souza, José Teles e muitos outros.

É seu primeiro livro?

É meu segundo livro. O primeiro saiu pela Editora Chiado, Por trás da luneta, de 2015, sobre o filme A luneta do tempo, que o Alceu escreveu e dirigiu. E eu acompanhei as filmagens no Agreste de Pernambuco. É um diário de filmagem.

Você escreve no livro que utilizou a discografia do cantor para pontuar sua história. Acha que Alceu compôs uma espécie de trilha sonora da própria vida?

Como separar o amigo, o assessor de imprensa do biógrafo?

Alceu é um compositor, escritor e poeta bastante autorreferente e muito autobiográfico. As canções dele, quase todas, se referem a algum fato específico, a alguma coisa que aconteceu na trajetória dele. Os artistas, de maneira geral, acabam sendo autorreferentes. E acredito que no caso do Alceu isso é ainda mais presente, mais verdadeiro. A obra do Alceu fala muito sobre ele mesmo. 

Prestes a completar 80 anos, Alceu alcança diversas gerações. A que fatores você acha que isso se deve?

É notória a maneira como o Alceu, nos últimos tempos, vivencia um novo auge. É impressionante a quantidade de crianças, jovens, adolescentes, fora pessoas de gerações anteriores, como eu que, enfim, vão ao show do Alceu, vibram intensamente em todo o Brasil e exterior. Ele atribui muito à internet. Sempre teve relações turbulentas com gravadoras, algumas vezes chegou a ser boicotado. A internet deixou a coisa mais livre em um certo sentido. A música La belle de jour tem mais de 140 milhões de visualizações no Youtube. É impressionante. Não encontramos isso nem no Paul McCartney, Freddie Mercury, Mick Jagger ou Stevie Wonder.

Serviço:

Lançamento do livro Pelas ruas que andei – Uma biografia de Alceu Valença (Cepe Editora)

Preço: R$ 70 (livro impresso); R$ 35 (e-book); 49,90 (compra o audiolivro); R$ 20 (assinatura do audiolivro)

São Paulo

Quando: 27 de julho

Onde: Itaú Cultural (Avenida Paulista, 149, Bela Vista, São Paulo)

Horário: 19h

Acesso gratuito

Rio de Janeiro

Quando: 1º de agosto

Onde: Livraria da Travessa Ipanema (Rua Visconde de Pirajá, 572, Ipanema, Rio de Janeiro)

Horário:19h

Acesso gratuito

Thiaggo Camilo - @thiaggocamilo

Jornalista e assessor de imprensa. Foi jurado do quadro musical do programa Mais Show com Danny Pink na Rede Vida. Colunista do Tô Na Fama!, portal parceiro de conteúdo do IG. Atualmente está a frente da sua agência de comunicação e licenciamento. Redes sociais @thiaggocamilo | @thiaggocamilopress

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo