CinemaNoticias

Kingsley Ben-Adir, Ziggy Marley e Reinaldo Marcus Green participam de coletiva virtual de ‘Bob Marley: One Love’ no Brasil

“É uma responsabilidade enorme fazer um personagem como Bob Marley”, contou Kingsley Ben-Adir na coletiva virtual de Bob Marley: One Love, realizada ontem, 5 de fevereiro, em São Paulo. A Paramount Pictures preparou um evento especial para os brasileiros reunindo o protagonista do longa, o produtor e filho de Bob Marley, Ziggy Marley, e o diretor Reinaldo Marcus Green que falaram exclusivamente com a imprensa brasileira. 

Ao ser questionado sobre o porquê de ter escolhido contar a história de Bob entre 1976 e 1978, Reinaldo comenta que era um período muito rico da vida dele. “Escolhemos mostrar uma ‘janela’ da vida do Bob que nos permitisse destacar sua humanidade. É um grande desafio especialmente quando se trata de um ícone como ele e era nossa responsabilidade fazer isso da forma mais autêntica possível, mostrando o homem que está por trás das roupas. Conseguimos isso graças ao Kingsley Ben-Adir e ao Ziggy Marley”.

Em resposta a qual foi a situação mais desafiadora em fazer o filme, Kingsley Ben-Adir, protagonista do longa, comentou que foi o processo de tentar entender ou descobrir quem o Bob era em seus momentos mais vulneráveis. “Eu tive que entender quem ele era com a família, fora da figura pública ou da ideia que as pessoas tinham dele. Para isso, foi necessário uma conversa com o Ziggy [Marley], com a família e com os amigos dele. Foi quando eu realmente tive que ouvir mais do que nunca porque eu nunca conseguiria descobrir quem ele era em um nível pessoal sem o apoio da família. E achar a nuance da vulnerabilidade dele precisou de muitas conversas com o Ziggy, com o Reinaldo, com o Neville Garrick – que infelizmente faleceu – mas que esteve conosco todos os dias no set e que esteve com o Bob na turnê do Exodus, então, eu diria que tentar achar a vulnerabilidade do Bob foi um desafio, mas eu tive o apoio de tantas pessoas que conheceram e amaram ele.”

Bob Marley veio ao Brasil uma única vez, em 1980, quando conheceu artistas nacionais e jogou futebol com diversas personalidades brasileiras, fato que foi relembrado em uma pergunta ao seu filho, Ziggy Marley, durante a coletiva. “Meu pai era um fanático por futebol e foi ele quem me apresentou ao Pelé. Antes de eu ter ido ao Brasil, ele  representava o país para mim. Meu pai trouxe de volta da viagem o amor pelo Pelé. O maior, o rei Pelé!”. Ao ser questionado sobre qual sua principal memória sobre seu pai, Ziggy disse que não existe uma em específico. “Meu pai é uma parte de mim, é impossível me separar dele, somos como um só, tanto física quanto espiritualmente”, completou em resposta ao jornalista. 

O filme, que chega aos cinemas na próxima segunda-feira, 12 de fevereiro, celebra a vida e a música de um ícone que inspirou gerações por meio de sua mensagem de amor e união. Na tela dos cinemas pela primeira vez, o público vai descobrir a poderosa história de superação e a jornada por trás de sua música revolucionária.Com produção executiva de Brad Pitt, o elenco conta com Lashana Lynch, James Norton, Anthony Welsh, Tosin Cole e Umi Myers. 

Bob Marley: One Love – 12 de fevereiro exclusivamente nos cinemas
#BobMarleyOneLove 

Thiaggo Camilo - @thiaggocamilo

Jornalista e assessor de imprensa. Foi jurado do quadro musical do programa Mais Show com Danny Pink na Rede Vida. Colunista do Tô Na Fama!, portal parceiro de conteúdo do IG. Atualmente está a frente da sua agência de comunicação e licenciamento. Redes sociais @thiaggocamilo | @thiaggocamilopress

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo