Famosos

Pix é principal meio de pagamento da Geração Z; especialistas comentam popularidade

Sistema de transferências já acumula 151 milhões de usuários e R$ 1,3 trilhão em transações

44% dos integrantes da geração Z, formada por pessoas entre 18 e 28 anos, utiliza o Pix como principal meio de pagamento, segundo levantamento divulgado pelo Serasa nesta segunda-feira (14).  Entre a geração Y (de 29 a 41 anos) e os baby boomers (acima de 59 anos), o cartão de crédito permanece como meio de pagamento mais usado, citado por 46% e 36% dos entrevistados. 

De acordo com Fernando Lamounier, educador financeiro e diretor de novos negócios da Multimarcas Consórcios, “a adoção da ferramenta entre os mais novos faz parte de uma tendência mais ampla de digitalização e modernização dos serviços financeiros. Com a inovação, a geração Z perdeu o costume de sacar dinheiro, optando pela ferramenta por conta da agilidade, segurança e sustentabilidade”. 

Criado em novembro de 2020, o sistema de transferências do Banco Central frequentemente bate recordes. No último dia 4, a modalidade chegou à marca de 142,4 milhões de transferências em 24 horas. O recorde anterior tinha sido registrado em 7 de julho, com 134,8 milhões de transações em um único dia. 

Para Cristiano Maschio, especialista em tecnologia de pagamentos e CEO da Qesh IP, a evolução do mercado financeiro é essencial para o futuro do país: “O Pix é uma ferramenta de democratização e um catalisador para a digitalização financeira no Brasil. A modalidade é uma oportunidade tanto para consumidores, empresas estabelecidas e para novos players”.

O Pix acumula 151,9 milhões de usuários, dos quais 139,4 milhões são pessoas físicas e 12,5 milhões pessoas jurídicas. Em junho, o sistema superou a marca de R$ 1,36 trilhão movimentados por mês. Segundo dados do Banco Central, entre agosto de 2021 e julho de 2023 o número de chaves Pix dobrou no Brasil. Hoje já são 637.749.186 milhões delas.

“Para as empresas, a adoção do meio de pagamento tem significado agilidade e redução de custos. O sistema possibilita transações comerciais mais rápidas, tornando o fluxo de caixa mais eficiente e proporcionando uma melhor experiência ao cliente. Além de possibilitar integração de serviços, como a cobrança com vencimento futuro e a realização de pagamentos programados, recursos que trazem novas oportunidades de negócios”, destaca Cristiano. 

O especialista ressalta que o Pix é apenas o início, e o avanço em direção a uma economia mais digital e inclusiva está em pleno curso. “As tecnologias facilitam pagamentos diários e oferecem alternativas mais eficientes e econômicas aos métodos tradicionais”, finaliza Cristiano

Thiago Michelasi

Thiago Michelasi é jornalista, assessor de imprensa e apresentador de TV. Atualmente é CEO do Tô Na Fama!, portal parceiro de conteúdo do IG e apresentador do Programa Tô Na Fama! em afiliadas da Rede TV!. Além disso é colunista no Cartão de Visita do R7, no IG Gente, no Meia Hora e de diversos outros portais além de já ter sido colunista também no Observatório dos Famosos do UOL. Siga Thiago Michelasi no Instagram: instagram.com/thiagomichelasi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo