Teatro

“Salvador, Anoiteceu e é Carnaval” estreia no Centro Cultural Banco do Brasil em São Paulo

Estreia dia 26 de maio

Direção de Vilma Melo, dramaturgia de Marcéli Torquato e protagonizada por Paulo Verlings, a peça será apresentada em duas versões, com classificação livre para toda família e acima de 14 anos.

A peça tem em sua trilha sonora sucessos da música brasileira como “Nobre vagabundo” e “Canto da Cidade”, de Daniela Mercury; “Haja Amor”, de Luiz Caldas; “Várias Queixas” e “Vem meu Amor”, do Olodum; “Cara Caramba”, do Chiclete com Banana; “Levada Louca” de Ivete Sangalo; “Dandalunda”, de Margareth Menezes; e “Chuva, Suor e Cerveja” e “Não Enche”, de Caetano Veloso, todas interpretadas ao vivo

Depois de passar por Brasília e Rio de Janeiro, o espetáculo Salvador, Anoiteceu e é Carnaval chega ao Centro Cultural Banco do Brasil São Paulo para uma temporada de 26 de maio a 25 de junho.

Com dramaturgia de Marcéli Torquato e direção de Vilma Melo, a peça foi concebida em uma versão para maiores de 14 anos, apresentada às sextas (19h), sábados e domingos (17h), e outra para toda a família, com sessões aos sábados e domingos, às 11h.

O trabalho foi idealizado pelo ator Paulo Verlings, que recentemente dirigiu a bem-sucedida peça Pá de Cal (Ray-Lux) e agora interpreta o protagonista da montagem. No elenco, ainda estão Aline Carrocino, Carolina Pismel, Ester Dias, Jefferson Melo, Nando Brandão, Patricia Elizardo e Udylê Procópio.

A trama acompanha o jovem músico e compositor Salvador, que foi abandonado pela noiva Constância no dia de seu casamento. Depois de receber uma carta anônima dizendo que sua amada está em Ermo, um lugar desencantado, ele parte à procura dela.

Nessa cidade, ninguém tem tempo para nada, nem mesmo para dormir, comer, ou até falar as palavras completas. Tudo por lá é ditado pela TimeTime, uma fábrica de relógios que passou a controlar o tempo.

Para contar essa história, a peça tem em sua trilha sonora sucessos da música brasileira como “Nobre vagabundo” e “Canto da Cidade”, de Daniela Mercury; “Haja Amor”, de Luiz Caldas; “Várias Queixas” e “Vem meu Amor”, do Olodum; “Cara Caramba”, do Chiclete com Banana; “Levada Louca” de Ivete Sangalo; “Dandalunda”, de Margareth Menezes; e “Chuva, Suor e Cerveja” e “Não Enche”, de Caetano Veloso.

Todas essas canções são interpretadas ao vivo em cena pelos músicos Marcelo Rezende (guitarrista e violonista), João Marcos Freitas (baterista), Leandro Vasques (baixista), Tássio Ramos (baixista), Raoní da Silva (percussionista).

A ideia do espetáculo, de acordo com Paulo Verlings, é justamente convidar o público a pensar em questões como “onde estamos colocando nosso tempo, nosso trabalho e os nossos sonhos? Que qualidade de vida temos hoje? Até que ponto perdemos a mão ao seguir esse estilo de vida contemporâneo?”

“Queremos trazer essa discussão através dessa fábula, que fala sobre a questão do corporativismo que invade a vida contemporânea e tem como contraponto popular as músicas do Carnaval de Salvador”, explica o ator.

E sobre encenação, a diretora Vilma Melo comenta: “A Marcéli tem uma forma muito poética de escrever, sem rubricas, tudo é cena. De alguma forma assumindo o papel de narradora, como se fosse ela própria nos contando essa história, misturando um pouco o conto, a poesia com a dramaturgia.

Meu trabalho basicamente é dar imagem a sua poesia. E o texto dela é incrível, às vezes, tenho receio de estar atrapalhando o texto. Ela escreve sobre o mundo fantástico, mas apontando para o mundo real que acontece agora”.

Ao receber este espetáculo, o Centro Cultural Banco do Brasil reafirma seu objetivo de ampliar a conexão do brasileiro com a cultura e traz aos palcos a riqueza de manifestações regionais, ao mesmo tempo que provoca reflexões importantes para a atualidade.

Crédito: Paula Kossatz

Disponíveis em bb.com.br/cultura e bilheteria do CCBB

Tania Voss

Tânia Voss é jornalista formada, colunista social e assessora de imprensa. Tudo começou no Jornal Destaque do município de Taboão da Serra, na editoria de variedades com entrevistas de cantores e artistas famosos da época. Em breve, completará 35 anos de carreira e profissionalismo no Jornalismo. Desde a faculdade atua na área de variedades e especialmente com famosos. Começou escrevendo a Coluna do Gugu nos jornais impressos Popular da Tarde e Diário Popular, depois foi a primeira jornalista e colunista social ainda desconhecida a brilhar no famoso jornal do povão Notícias Populares, agitando o Brasil com suas manchetes bombásticas. Hoje no mercado existem livros e teses sobre o trabalho da jornalista quando trabalhava nos anos 90 no NP. De lá pra cá foi jurada em programas de TV, programas de rádio com notícias de famosos, troféus e homenagens. Como colunista escreveu e representou a Revista Raça Brasil e Raça Visual, por todo o Brasil e exterior.. Colunas em várias revistas, jornais, sites e atualmente assina uma página de famosos no site Cartão de Visita do Portal R7, tem o blog Universo da Fama, além de participações no site da Rede Brasil . As casas mais badaladas, restaurantes, bares, festas, lançamentos, shows, entrevistas, eventos sociais em geral, coletivas de imprensa, bastidores e tudo sobre o meio artístico você vai encontrar aqui. @tania.voss

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo