Saúde

Cirurgião Plástico Wendell Uguetto fala sobre os malefícios causados pelo exagero em procedimentos estéticos

Na última premiação do Grammy Awards, a cantora Madonna chocou o público ao aparecer transformada. Sempre chamando atenção por ser ousada em figurinos e shows, a diva pop apareceu com o rosto aparentemente inchado e, pelos comentários gerais, o motivo era o exagero nos procedimentos estéticos. O caso chamou atenção e despertou a discussão sobre os limites desses procedimentos.

Screenshot 20230213 190914 Samsung Internet
Madonna (Foto: Reprodução/Internet)

O cirurgião plástico dr. Wendell Uguetto, de São Paulo, conta como o excesso de cirurgias e pequenos ajustes estéticos podem causar diversos malefícios à saúde das pessoas. É claro que todo mundo pode buscar o procedimento estético para retocar ou dar aquele “up” em algo que não o satisfaz. Mas é importante não exagerar, e escutar as recomendações do profissional qualificado.  Infelizmente, existem muitas pessoas sem competência técnica ou formação oferecendo esses serviços, em condições impróprias, bastante perigosas a valores mais atrativos.

Em busca dessa perfeição, há quem se sujeite a esses procedimentos, colocando em risco a própria saúde. Por isso, é de extrema importância procurar um profissional qualificado: ele saberá o local correto de aplicação, a quantidade e qualidade do produto que deve ser utilizado, de forma a evitar reações adversas e deformações no rosto/corpo do paciente. 

IMG 20230213 WA0042
Dr. Wendell Uguetto (Foto: Acervo Pessoal)

Segundo o Dr. Wendell, com o passar do tempo, a pele do rosto seca, o nariz tende a cair, e perdemos gorduras no rosto de forma gradativa e é nessa hora que muitas pessoas correm atrás desses procedimentos estéticos. Sobre a aplicação do ácido hialurônico, um dos perigos mais temidos, de acordo com o cirurgião plástico, ocorre quando o produto é injetado na parte errada do rosto. Com isso, o produto pode parar dentro dos vasos sanguíneos que irrigam a face, onde vai provocar um entupimento que leva à morte de tecidos de partes do nariz, dos lábios ou até um quadro de cegueira.

Para minimizar os danos, é possível utilizar uma enzima chamada hialuronidase, que tem a função justamente de absorver o ácido hialurônico aplicado de forma inadequada. Mas esse “antídoto” também não pode ser usado em qualquer situação: existem pacientes que têm alergia à hialuronidase e desenvolvem reações graves. Além do entupimento de artérias e veias, outros efeitos colaterais possíveis são reações inflamatórias, marcadas por vermelhidão e inchaço, e a formação de nódulos no local da aplicação.

A boa notícia é que, como o produto é absorvido pelo organismo, esses problemas costumam ser passageiros. Dr. Wendell considera que a aplicação excessiva de ácido hialurônico e os resultados estéticos indesejados disso também podem ser vistos como um evento adverso em diversas situações.

“A aplicação demasiada do ácido pode afetar a movimentação do rosto e a pessoa deixa de ter um sorriso ou uma expressão natural. É preciso encontrar um equilíbrio para que a pessoa se sinta bem e consiga reconhecer o próprio rosto no espelho”, finalizou.

Emiliano Macedo

Emiliano Macedo - Jornalista com 20 anos de carreira. Já atuou como produtor, repórter e editor de textos nas emissoras RedeTV (Rio), Globo (TV Rio Sul), Band (Rio) e SBT. Em rádios, passou pela Sociedade 104,1 FM e Band FM 94,9. Também já escreveu para os portais "A Gazeta", G1, GE e GShow. Nos Estados Unidos, trabalhou como redator na sede da Norwegian International, em Miami.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo