Saúde

Saúde da visão: conheça Cavalcanti Júnior o oftalmologista manauara referência entre atletas de MMA

Como que um atleta, com problemas na visão, conseguiu ser um dos maiores finalizadores do Ultimate Fighting Championship (UFC) da atualidade? Essa pergunta intriga até hoje muitos lutadores e aficionados pelas Artes Marciais Mistas (MMA) ao redor do planeta, mas foi em Manaus que essa história ganhou novos rounds. 

Com a capacidade visual bastante comprometida, o brasileiro Charles Oliveira da Silva, popularmente conhecido como Charles do Bronx, chocou o mundo do MMA ao revelar esse problema que o acompanhava há anos. “Eu via três caras. Se eu acertar o do meio, estava bom”, disse o lutador.

E foi o médico oftalmologista manauara Cavalcanti Júnior que notou o problema no lutador, em maio de 2016, quando foi assistir ao UFC 198, na Arena da Baixada, em Curitiba. “O meu hobby era assistir MMA e, quando o UFC começou a expandir as lutas para o Brasil, com a devida permissão de minha esposa, comecei a assistir às lutas presencialmente”, contou o médico. 

E essa paixão pelo MMA o levou a conhecer vários lutadores, entre eles o Charles Oliveira. “Eu sempre fazia um esforço para conseguir um bom lugar nos locais de luta, para ficar justamente perto dos atletas, ter contatos, enfim, coisas de quem gosta do esporte. E tive a oportunidade de encontrar o Charles Oliveira, que não era do Bronx ainda, e notei que ele usava uns óculos enorme e grosso”, relembrou Cavalcanti. 

Com uma foto do evento em mãos, no qual ia pedir autógrafos dos lutadores presentes, o médico manauara se aproximou de Charles e perguntou como ele fazia para lutar. “Por ser oftalmologista, eu gosto de olhar nos olhos das pessoas, e perguntei como ele fazia para se manter no esporte, pois notei os óculos que usava. Ele respondeu que era Deus que o ajudava nas lutas”, recordou o médico. 

Amizade e confiança – Dessa simples pergunta, uma relação de amizade e confiança começou a ser construída. “Sou médico oftalmologista e quero te ajudar, pelo menos com um exame, disse a ele lá em Curitiba. Ele pegou a foto da minha mão e anotou o número particular dele e desde então não perdemos mais contato”, disse Cavalcanti Júnior.

Com uma rotina intensa de treinos e de agendas oficias do UFC, o tempo ia passando e o exame sempre ficava para uma outra oportunidade. “Eu falava pra ele que só poderia examiná-lo em Manaus, mas nunca dava. Teve uma época que o José Aldo queria trazer uma edição do UFC para a cidade, mas não deu certo”, relembrou o médico. 

Mesmo com toda essa dificuldade de conciliar a agenda dele para iniciar o tratamento, o lutador conseguiu vir a Manaus. “Ele veio pra cá com o Alan Nuguette, outra estrela do UFC. Disse que estava na cidade e que ia fazer o exame. Esperei a semana toda, continuei a minha agenda de trabalho, foi quando em uma sexta-feira, por volta de 21h, ele me liga e disse que estava livre”, contou Cavalcanti Júnior.

Naquela altura, a clínica estava fechada e não tinha funcionários que pudessem auxiliar o médico durante na ocasião. “Estava tudo fechado. Sem funcionários. Eu mesmo liguei os equipamentos e fizemos o exame, que nos levou a apontar uma cirurgia refrativa, pois ele tinha a sua capacidade visual bastante prejudicada”, relembrou. 

Cirurgia – A realização da cirurgia foi até mais rápida do que o exame, segundo Cavalcanti Júnior. “Tive que explicar que ele teria que voltar a Manaus pra realizar o procedimento e que precisava de alguns dias, tanto para fazer a cirurgia quanto para recuperação dele”, contou o médico manauara. 

O atleta retornou a Manaus e fez a cirurgia que encerrou um problema que por anos o acompanhou. “Reunimos toda a equipe da clínica, que ia participar da cirurgia, e juntamente com o Charles oramos para que tudo desse certo. A cirurgia refrativa é segura, com resultado imediato. Ao final ele se emocionou muito, afinal, ele sentiu na hora o resultado do procedimento”, relembrou Cavalcanti Júnior. 

Referência – A cirurgia realizada em Charles do Bronx abriu as portas para que outros atletas de MMA procurassem ajuda do médico manauara, tornando-se assim referência no meio. Entre os atletas que Cavalcanti Júnior começou a cuidar da saúde dos olhos estão Poliana Botelho, Ronnys Torres, Adriano Martins e Ketlen ‘Esquentadinha’.

Além de cuidar desses atletas, Cavalcanti Júnior fechou uma parceria com o Carioca Academy, centro de artes marciais, paracuidar da saúde da visão de todos os atletas da academia, que fica localizado no bairro Alvorada, zona Centro-Oeste de Manaus.

História – Quem vê o renomado oftalmologista dos atletas de MMA nem imagina a sua história de superação. Cavalcanti Júnior perdeu a visão devido a um acidente no sítio da família, ficou por sete a oito meses nessas condições. 

Nesses meses de angústia em busca de tratamento, seus pais o levaram para São Paulo. Àquela altura, o então estudante do Colégio Militar de Manaus, Cavalcanti Júnior, sentiu que não ia seguir a carreira militar. “O acidente no sítio me levou a ter glaucoma, por conta do trauma. Mas Deus tinha um propósito em minha vida e nunca deixei de ter fé. Foi nesse momento delicado que a chave virou e senti que gostaria de ser oftalmologista”, relembrou o médico. 

Hoje, Cavalcanti Júnior é especialista em Glaucoma, Cirurgia Refrativa e Catarata, além disso, ele é sócio-proprietário da Vision Clínica de Olhos, na qual exerce o cargo de Diretor-técnico e chefe do setor de

Glaucoma.

“Sempre fui apaixonado por esportes, especialmente pelo MMA, e hoje ao me dedicar a esses atletas, tanto daqui quanto de fora, me sinto muito mais que realizado, me sinto agraciado por Deus”, finalizou o médico.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo