Coluna Rodrigo Teixeira

Terra e Paixão: Evelyn Montesano fala sobre sua primeira experiência no horário nobre da Globo

Evelyn Montesano estreou na Rede Globo em 2017 quando participou de um dos capítulos finais da novela “Rock Story”, dando vida a uma médica em uma das cenas mais marcantes da trama. Desde então, a atriz já atuou em seis novelas na maior emissora do Brasil, incluindo o seu mais recente trabalho em “Terra e Paixão”, sua primeira novela no horário nobre.


A atriz aceitou nos dar uma entrevista, com exclusividade, contando um pouco da sua experiência nas novelas e do seu atual momento profissional. Confira!

  • Como surgiu o convite para atuar na novela das nove?

Já tinha trabalhado com a mesma equipe de “Terra e Paixão” nas novelas “Pega Pega” e “Além da Ilusão”. Eles já conheciam o meu trabalho de outras ocasiões e creio que por isso me chamaram novamente. Sempre que eles me ligam e me chamam para gravar uma novela eu fico feliz e grata, pois significa que eles gostam do meu trabalho, sentir esse reconhecimento é muito bom. Sou apaixonada pelo meu ofício, pela TV e pela arte de atuar!

  • Como foi contracenar com a Glória Pires?

Glória é uma das grandes divas da televisão brasileira. Trabalhar com ela é um presente para qualquer ator. Além da troca maravilhosa que tivemos em cena, no final da gravação ela me abraçou e disse: “Até breve”, fazendo uma referência ao fato de que poderíamos gravar juntas novamente em algum momento próximo. Glória é muito generosa, além de ser uma profissional incrível!

  • É diferente estar em uma novela das nove e em uma em outro horário?

Quanto ao meu trabalho como atriz não, a minha dedicação e empenho com a personagem são os mesmos independente do horário da novela, mas pode ser que as novelas exibidas no horário das nove ainda sejam mais vistas pelo público da televisão, pois é um horário em que mais gente está em casa, já voltou do trabalho. Quando digo “público da televisão” é porque hoje em dia as novelas também tem um público gigante na Globoplay, muita gente assiste por lá, então essa questão do horário de exibição é algo relativo, pois através da plataforma você pode ver tudo na hora em que quiser.

  • Você estreou na Globo em 2017, de lá para cá foram seis novelas em seis anos na emissora. Como é trabalhar na Rede Globo?

Todo ator tem ou já teve o sonho de estar na Rede Globo, quem falar que não está mentindo. A Rede Globo, ainda hoje, abre muitas portas. É como se, fazendo algum trabalho lá, você tivesse uma chancela, um carimbo de qualidade, um indicador de que você e o seu trabalho merecem atenção. A Globo é a maior emissora do Brasil e a segunda maior do mundo. O que está ou aparece ali tem relevância. Você ganha “valor de mercado” estando na Globo, isso é inegável. Para mim, como atriz, foi um grande marco na minha carreira quando fiz meu primeiro trabalho na emissora, passei a ser vista de uma outra forma por várias pessoas, sem dúvidas foi uma grande realização pessoal e profissional para mim.

  • Em algum momento da sua carreira você já foi destratada por algum outro ator, produtor ou diretor na emissora?

Não, pelo contrário, sempre fui muito bem tratada por todos na Rede Globo. Não tenho absolutamente nada de negativo para falar das minhas experiências na emissora. Só tenho a agradecer por todas as oportunidades que me são dadas lá.

  • Muitos artistas depois que trabalham na Rede Globo se tornam arrogantes e destratam a imprensa. Que conselho você daria nesse sentido para quem age assim?

Acho que a primeira coisa é entender que ninguém é melhor do que ninguém. Não é porque você está trabalhando naquele momento em uma grande emissora, líder de audiência, que você é melhor do que os outros e pode destratar alguém. No caso da imprensa, especificamente, o artista precisa entender que a relação com ela deve ser de troca e cordialidade. O artista precisa da imprensa assim como a imprensa precisa do artista.
Em segundo lugar, entender que “o mundo gira”, ainda mais nesse meio. Uma hora você está em um super trabalho, sendo comentado e aplaudido por todos, já no outro está buscando um novo caminho, novas oportunidades e vai precisar da imprensa e das boas relações que construiu quando estava “em uma boa fase” para se manter relevante, em evidência e também para conseguir novos trabalhos, afinal quem não é visto não é lembrado. Quem entende isso permanece no mercado, quem não acaba sumindo.

  • Antes de estrear na Globo você também já trabalhou em novelas na Record, mas nunca em nenhuma no SBT. Você aceitaria fazer uma novela na emissora de Silvio Santos?

É verdade. Eu nunca fiz uma novela no SBT. Assim como grande parte dos brasileiros sou fã do Silvio Santos, ele é um dos maiores comunicadores que temos. Cresci vendo o Silvio aos domingos na TV e todo dia eu via Chaves no SBT. Seria muito bom fazer uma novela lá. Aceitaria sim. Claro!

Rodrigo Teixeira

Repórter com mais de 13 anos de carreira. Formado em jornalismo pela Estácio de Sá e pós graduado em Metodologia do Ensino Superior pela Escola do Legislativo do Estado do Rio de Janeiro (Elerj). Com experiência em diversos segmentos do jornalismo, entre eles, no meio corporativo, artístico, e no poder público. Com passagem pelas redações dos maiores portais de internet do país, inclusive á produziu conteúdo para o portal iG. Experiência de gestão, redação e projetos especiais para o on-line dos Jornais O Dia e Meia Hora. Web Repórter da Rede TV, na sucursal do Rio de Janeiro e correspondente do programa "Tô na Fama", da Rede TV do Tocantins.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo